Episódio 3 – Os mais velhos nas telas

O episódio de hoje é sobre os mais velhos como protagonistas nas telas: filmes e séries. Entrevistamos o especialista em cinema Sérgio Rizzo. É apresentado pelas jornalistas Bell Kranz e Mari-Jô Zilveti. A edição de áudio é de Alandson Silva.

_____________________________________________________________________________________

Uma revolução nas telas do cinema, da TV, do celular: a multiplicação de títulos em que os mais velhos são protagonistas e deixam aquele lugar de vovô que busca os netos na escola. A trama gira em torno de dramas de um personagem idoso. Isso vem ocorrendo há cerca de 15 anos, segundo o especialista, crítico de cinema e professor Sérgio Rizzo.

Não são filmes sobre idosos. São sobre a vida. Um exemplo é o filme “Poesia”, mencionado por Rizzo, em que uma mulher de mais de 70 anos procura um curso de poesia para frequentar.

“É como se estivéssemos vendo um um arco da vida da protagonista, uma velhinha.”

O crítico deu um curso em outubro de 2018, no CineSesc, em São Paulo, sobre a representação do idoso nas telas no século 21. A partir dessas aulas, Rizzo cita os filmes com foco nos homens solitários, entre eles “Gran Torino” (2008), dirigido e protagonizado por Clint Eastwood. Menciona ainda títulos de jornadas femininas de solidão e redenção, entre eles “Minhas tardes com Marguerite”, de 2010.

Mas vamos ao que interessa: duas dicas. Uma delas é sair de casa para ir ao cinema e depois, por que não tomar um café com os amigos para discutir o filme. Em dezembro de 2018, em algumas cidades do Brail, estreou o documentário “Chá com as damas”, que reúne quatro atrizes britânicas, entre elas Maggie Smith e Judi Dench. É um bate papo em que relatam suas carreiras, vida pessoal e influências em suas respectivas carreiras profissionais. A segunda opção é assinar serviços como Netflix, Prime Vídeo e Now.

No Netflix, há duas séries imperdíveis: “Grace & Frankie”, com Jane Fonda e Lily Tomlin, duas setentonas cujos maridos anunciam que têm um caso há 20 anos e anunciam que vão se casar. No primeiro episódio da primeira temporada, elas perdem o rumo e decidem que precisam morar juntas para uma cuidar da outra.

A segunda série, que entrou no ar em novembro, é “O método Kominksy”, estrelada pelos setentões Michael Douglas, no papel do ator e professor de teatro Sandy, e por Alan Arkin, que faz seu agente Norman. Em  dez episódios, a dupla vive perdas, doenças e angústias do dia a dia. Mais uma vez, a dupla sabe que tomar conta um do outro é uma das chaves para a vida.

Neste mês, o Fifties+, um site pioneiro que trata de vários temas para a turma dos mais de 50 anos, colocou o Matusa no alto da página de abertura para quem quiser ouvir a gente. Mais: há uma matéria que é uma das mais acessadas sobre cinema: Fifties+ recomenda os melhores filmes para maiores de 50! É uma lista com 20 filmes, com sinopses. Serve de referência para procurar o que ver nos sites como Netflix ou comprar um DVD em lojas como Submarino, Americanas e Amazon.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *